Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mantinha do Ego

Pequenos retalhos que cobrem o alvorecer de dois quotidianos...

Mantinha do Ego

Pequenos retalhos que cobrem o alvorecer de dois quotidianos...

Em ti encontro o que preciso...

As coisas que mais recordo com alegria são aquelas que me trazem à memória as malandrices da puerilidade que tomam conta do crescimento.

 

Coisas como saltar à corda, joelhos raspados das quedas de bicicleta ou de uma descida mais inclinada em patins.

 

Tardes em que comia guloseimas e batatas fritas ou gelados comprados na «carrinha do Sr. dos gelados». Sim! Era o nosso vendedor ambulante que tinha os melhores sabores de chocolate e amêndoas caramelizadas. 

 

Lembro-me dos figos que apanhávamos quando trepávamos árvores e sentávamo-nos debaixo da figueira a saboreá-los na sombra dos dias calorosos ou das amêndoas que partiamos com uma pedra sentados nos passeios.

 

Há coisas que ficam registadas na memória, como se fosse cinzel na pedra. Mas as que tu me ensinaste trago comigo sempre, para o meu viver diário, como se de ensinamentos num livro de sabedoria se tratassem...

 

Ensinaste-me a perdoar em lugar de guardar as mágoas, a sorrir quando à volta tudo parecia tristonho e a amar com o coração e não apenas com leves palavras...

 

Ensinaste-me a dar a mão, a falar e a brincar; disseste-me, quando tinha dúvidas e receios, que tinha o mundo para enfrentar e conquistar...

 

Das tuas palavras saíram sinais de doçura e travessura, de alegria e malandrice. O que me dizes todos os dias soa como lago de ternura onde brota a pureza do amor.

 

Ensinaste-me a ser cuidadosa, lutadora e destemida. Nas minhas dificuldades carregaste-me ao colo, mesmo quando não era criança. Limpaste as minhas lágrimas de menina crescida, como quem cuida das feridas no joelho de uma criança.

 

Com todas as provações que a vida te colocou, sempre aprendeste com elas. Foste feliz na simplicidade e no desprendimento...

 

Quando recordas os outros tempos, no teu olhar verde esperança (igual ao do teu pai!), abre-se um brilho de quem revive a herança da felicidade.

 

Nos teus abraços fortes que me aconchegam, repouso e descanso.

No colo da mãe que me carrega, sendo eu adulta e determinada. 

No teu amor encontro a paz que preciso.

 

És minha mãe e amiga, no teu carinho encontro a força, os ensinamentos e as palavras de conforto.

Em ti encontro o que preciso...

 

mãe.jpg

 

 

 

2 comentários

Comentar post