Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mantinha do Ego

Pequenos retalhos que cobrem o alvorecer de dois quotidianos...

Mantinha do Ego

Pequenos retalhos que cobrem o alvorecer de dois quotidianos...

Encontros e desencontros

Não há nada como a saudade para nos permitir valorizar os momentos de reencontro.

O recordar de um tempo que passou e já não volta, que me permitiu viver experiências tão intensas, tem todo o valor quando é recordado na companhia de quem nos faz bem.

Nestes dias que passaram tive a oportunidade de ter alguns reencontros que me deixaram feliz, um pouco nostálgica, mas, ao mesmo tempo, agradecida.

Feliz, porque é sempre bom ver aqueles que se cruzaram pelo nosso caminho. Que deixaram alguma marca e deram algum sentido ao tempo que foi vivido. Feliz, porque pude estar de novo com aqueles que deram sentido a uma etapa muito importante da minha caminhada e que fizeram parte do meu crescimento.

Nostálgica, pois a memória tem destas coisas. Desperta emoções através das imagens que recordamos, dos abraços que recebemos e das palavras de conforto que ouvimos. É bom reencontrar aqueles que passaram pela nossa vida. Ainda que seja apenas isso: um reencontro.

Nada é eterno e poder voltar ao sítio onde já fui feliz, fez-me sentir agradecida. Apesar do receio de encontros e desencontros, o estar com quem me recebe sempre de braços abertos deixa uma lágrima no canto do olho, que faz qualquer viagem de autocarro, que parece interminável, valer a pena.

Foram muitos reencontros e momentos felizes. Foram muitos abraços e sentimentos de orgulho. 

Foi o reencontrar muitas pessoas que terminam uma fase importante das suas vidas, em especial a minha menina, que tanto lutou para conseguir chegar até aqui.

Sempre soube que conseguias. E isto só me provou que, mais importante que os abraços da despedida, são aqueles que recebemos nos reencontros.

 

13179292_997889583629279_1513406528829068727_n.jpg